Donald Trump critica manifestantes “Desonraram o lugar da democracia americana”

O Presidente cessante dos Estados Unidos da América, Donald Trump, reconheceu hoje a derrota nas eleições de novembro, apontando que “a nova administração tomará posse” no dia 20, tendo criticado os manifestantes que invadiram o Capitólio na quarta-feira.

Num vídeo divulgado pela sua conta pessoal na plataforma Twitter, Trump afirmou que após a certificação dos resultados pelo Congresso, que confirmaram a vitória do candidato democrata, Joe Biden, “a nova administração tomará posse em 20 de janeiro” e que o seu foco é agora “assegurar uma transição sem problemas”.

Trump pronunciou-se sobre o violento protesto no Capitólio, considerando que se tratou de um “ataque hediondo” e que o deixou “enfurecido com a violência, a desordem e o caos”.

Apoiantes do Presidente cessante dos EUA, Donald Trump, entraram em confronto com as autoridades e invadiram o Capitólio, em Washington, na quarta-feira, enquanto os membros do congresso estavam reunidos para formalizar a vitória do Presidente eleito, Joe Biden, nas eleições de novembro.

“A América foi e sempre será uma nação de lei e ordem. Os manifestantes que se infiltraram no Capitólio desonraram o lugar da democracia americana. Àqueles que participaram nos atos de violência e corrupção: vocês não representam o nosso país. E àqueles que quebraram a lei: vocês vão pagar”, referiu na mensagem o Presidente cessante.

Na quinta-feira, o Congresso dos Estados Unidos ratificou a vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais de novembro, na última etapa antes de ser empossado em 20 de janeiro.

O vice-Presidente republicano, Mike Pence, validou o voto de 306 grandes eleitores a favor do democrata contra 232 para o Presidente cessante, Donald Trump, no final de uma sessão das duas câmaras, marcada pela invasão de apoiantes de Trump.

“Passámos por uma eleição intensa e as emoções estiveram ao rubro, mas agora os ânimos devem acalmar”, instou o ainda chefe de Estado norte-americano.

Donald Trump assinalou que a sua campanha “percorreu todos os caminhos legais para contestar os resultados eleitorais” e que o seu único objetivo era “assegurar a integridade da votação”.

“Ao fazê-lo, eu estava a lutar para defender a democracia americana”, sublinhou.

“Continuo a acreditar veementemente que devemos reformar as nossas leis eleitorais para verificar a identidade e eligibilidade de todos os eleitores e assegurar a fé e a confiança nas futuras eleições”, disse o dirigente norte-americano.

Após um 2020 que apelidou de “desafiante”, Trump acredita que é agora necessário “apelar à recuperação e reconciliação”.

“Uma ameaçadora pandemia destruiu a vida dos nossos cidadãos, isolou milhões nas suas casas, danificou a nossa economia e tirou inúmeras vidas. Derrotar esta pandemia e reconstruir a maior economia do mundo vai requerer que todos trabalhemos juntos. Vai requerer um ênfase renovado nos valores cívicos do patriotismo, fé, caridade, comunidade e família”, afirmou Trump.

O Presidente norte-americano, que chegou à Casa Branca em 2017, depois de uma vitória frente à candidata democrata Hillary Clinton em novembro do mês anterior, considerou que dia 20 terminará aquela que foi “a maior honra” da sua vida.

“Servir como Presidente foi a maior honra da minha vida”, disse, terminando dirigindo-se aos seus apoiantes.

“Sei que estão desapontados, mas quero que também saibam que a nossa incrível viagem está apenas a começar”, finalizou.

O Presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou que os violentos protestos, nos quais morreram pelo menos quatro pessoas, foram “um ataque sem precedentes à democracia” do país e instou Donald Trump a pôr fim à violência.(LUSA)