Construídas habitações para população de baixa renda e sem taxas de juro em Maputo

Governo aplicou 24 milhões de meticais na construção de 30 casas de “tipo zero” evolutivas a um custo unitário de cerca de 700 mil meticais para cidadãos sem condições, no distrito da Manhiça, província de Maputo.

Já foi concluído e entregue o primeiro lote de 30 residências erguidas no âmbito do projecto “Renascer”, lançado em Março deste ano, sob gestão do Fundo do Fomento para Habitação (FFH).

As casas em alusão foram construídas na vila da Manhiça, financiadas com fundos do Orçamento de Estado, segundo a vice-ministra das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos, Cecília Chamutota.

Cada casa custa 667.766,40 mil meticais a serem pagos em 20 anos, com o valor mensal de 2.783,36 meticais, com taxa de juro zero. Os mutuários têm idades que variam entre 22 e 45 anos, com rendimentos de até cinco salários mínimos. Além da casa, é entregue um terreno infraestruturado.

Na ocasião da entrega das referidas infraestruturas, a governante disse que o Executivo projecta construir um total de 1.650 até ao fim do presente quinquénio.

Além das casas acabadas de inaugurar, está em curso a edificação de 300 na cidade Maputo e nas províncias de Nampula e Cabo Delgado, avaliadas em 210 milhões de meticais, também provenientes do Orçamento do Estado.

A vice-ministra das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos afirmou que, além de atender às camadas de baixa renda, o projecto “Renascer” irá impulsionar o surgimento e crescimento de conjuntos habitacionais e polos de desenvolvimento, devidamente urbanizados, com infra-estruturas e, desta forma, contribuir para a redução de assentamentos informais.

A iniciativa vai estimular o desenvolvimento de projectos habitacionais nos municípios. Actualmente, o “Renascer” está a ser implementado nas cidades de Maputo, Nampula, Pemba, Montepuez e nas vilas de Ribáuè e Monapo.

O PAIS