Frelimo saúda ação diplomática do Governo na luta contra os grupos armados

A Frelimo, partido no poder em Moçambique, saudou hoje a ação diplomática do Governo na luta contra os grupos armados no norte do país, enquanto os dois partidos da oposição parlamentar apontaram a incapacidade em travar a violência armada.

Aatuação do Governo no combate aos grupos armados em Cabo Delgado foi abordada numa sessão de perguntas e respostas entre os deputados do parlamento e os membros do executivo.

Ana Rita Sithole, deputada da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) e membro da comissão permanente da Assembleia da República, considerou “excelente” a ação diplomática do executivo visando mobilizar o mundo para o que considerou de “jihadismo” internacional.

“Vale a pena felicitar o nosso Governo pelo excelente trabalho de diplomacia para que a comunidade internacional se aproprie da luta que as nossas gloriosas Forças de Defesa e Segurança travam contra os terroristas”, declarou a deputada.

Os contactos que Maputo tem encetado junto dos parceiros internacionais, prosseguiu Ana Rita Sithole, têm permitido uma condenação firme à ação dos grupos armados e manifestações de solidariedade e apoio.

Mas a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição, e o Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceiro partido com assento parlamentar, fizeram uma leitura diferente da atuação do Governo em relação à violência armada em Cabo Delgado.

António Muchanga, destacado deputado da Renamo, acusou o Governo de ter estado em negação durante muito tempo perante o crescimento da violência armada em Cabo Delgado.

“Aqui, em sede do parlamento, não há muito tempo, o Governo veio dizer que a questão de Cabo Delgado era um assunto do Estado moçambicano e que competia ao Estado moçambicano resolvê-lo”, afirmou Muchanga.

O deputado do principal partido da oposição acusou o executivo da Frelimo de “teimosia” na desvalorização da gravidade da situação em Cabo Delgado no início da crise militar na região.

O MDM considerou que as Forças de Defesa e Segurança (FDS) estão a mostrar incapacidade no combate aos grupos armados e na proteção das populações.

“O que temos visto é uma clara incapacidade das FDS no combate aos grupos armados que protagonizam a barbárie em Cabo Delgado”, afirmou Fernando Bismarque, porta-voz e deputado do MDM.

Bismarque considerou que as FDS estão impreparadas para proteger a população civil nas zonas atingidas pelos ataques armados e comunidades inteiras têm sido obrigadas a fugir da violência.(LUSA)