Real Madrid jamais deveria ter deixado sair Cristiano Ronaldo diz Luís Castro

[ihc-hide-content ihc_mb_type=”block” ihc_mb_who=”unreg” ihc_mb_template=”1″ ]

Luís Castro, treinador português do Shakhtar Donetsk, fez a antevisão do duelo da Liga dos Campeões contra o Real Madrid. Em entrevista ao jornal “Marca”, o técnico diz que os “merengues” não deveriam ter deixado sair Cristiano Ronaldo.

“Estamos a falar do Cristiano. Quando o tens na tua equipa, jamais o deverias ter deixado sair. Falamos do melhor e mais eficaz jogador do mundo, uma máquina de trabalho e sacrifício”, começa por dizer.

O treinador da equipa ucraniano diz que Ronaldo é o melhor jogador do mundo e recorda o seu passado.

“Não comparo, mas, para mim, é o melhor. Tem uma história exemplar, criou-se sozinho em Lisboa desde os 11 anos, é um edifício que se ergueu sozinho. É um exemplo para todas as crianças. Critica-se demasiado o Ronaldo, que faz isto, ou que gasta demasiado dinheiro. Responde em campo todos os dias”, diz.

Sobre o duelo contra o Real Madrid, Luís Castro diz ter a partida bem preparada, mas não esconde que será difícil, em Madrid, conseguir um bom resultado.

“O futebol é um desporto de capacidade e o Real Madrid tem mais do que nós. São favoritos, mas vamos tentar surpreender. Temos 75% posse de bola na Liga, aqui não vamos conseguir isso. Vamos tentar adaptar-nos, defender melhor e aproveitar a posse que tenhamos para fazer dano. Preparamos bem o jogo, temos jogadores muito fortes e de qualidade”, diz.

O treinador explica ainda que tem várias baixas por lesões e infetados com a Covid-19, que condicionam a qualidade do jogo.

“Ser treinador nestes dias é um pesadelo. Com a pandemia e o calendário que temos. Estou cheio de baixas por lesões e infetados com a Covid-19. Tivemos dez ausências e ontem ainda não sabia que poderia ter alguns para jogar em Madrid, ou não”, explica.

O Shakthar foi sorteado no “grupo da morte”, contra Inter de Milão, Real Madrid e Borussia Monchengladbach: “É o grupo mais duro, mas não me lamento, vamos desfrutar. Motiva-nos este grupo, mas é muito duro, com o Real, Inter e o Borussia. Rio quando não dão valor ao Monchengladbach, são uma grande equipa. São os mesmos que diziam que a Atalanta era uma equipa mais fraca”.

(Renascença)

[/ihc-hide-content]