Filipe Nyusi atribui medalhas a 1.529 veteranos da luta de libertação

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, atribuiu na terça-feira a Medalha Veterano da Luta de Libertação de Moçambique a 1.529 personalidades e distinguiu outras 15 com ordens honoríficas e medalhas de mérito, refere um comunicado da Presidência da República.

Na nota, a Presidência da República adianta que a Medalha Veterano da Luta de Libertação de Moçambique é atribuída em reconhecimento da participação ativa de cidadãos nacionais na luta de libertação da pátria moçambicana, nas frentes da luta armada ou clandestina e do combate diplomático, da informação e propaganda.

A distinção é também entregue aos protagonistas “da batalha pelo triunfo da independência nacional, bem como do esforço abnegado tendente a valorizar as conquistas da moçambicanidade e do desenvolvimento nacional”.

Filipe Nyusi atribuiu igualmente ordens honoríficas e medalhas de mérito a 15 personalidades da vida política, desportiva, cultural e da área da ciência e tecnologia.

Entre as figuras distinguidas incluem-se Eduardo Mulémbuwè, que foi presidente da Assembleia da República (AR) durante dez anos e que recebeu a Ordem Samora Moisés Machel, do 1º Grau, e o padre Filipe José Couto, veterano da luta de libertação nacional e académico, reconhecido com a Ordem Samora Machel, do 2º Grau.

O ex-pugilista Lucas Sinóia, a ex-basquetista Aurélia Manave, o basquetista ainda no ativo Augusto Matos e o falecido nadador Raimundo Franisse foram distinguidos com a Medalha de Mérito Desportivo.

A atribuição das medalhas acontece por ocasião do Dia das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM), que assinala o início da luta de libertação nacional a 25 de setembro de 1964, contra o colonialismo português.(LUSA)