Quando o amor acaba remédios do curandeiro não segura homem alerta vovó Lídia

Aquelas mulheres que acham que podem fazer dos seus parceiros “gato e sapato”. “Cuidado…”, Curandeiro não resolve problemas de comportamento alertou a vovó Lídia Chaúque, residente em Maputo em conversa com o jornal domingo.

Com muita experiência de vida vovó Lídia diz que“as manas que maltratam os maridos, muitas vezes ‘confiam’ no dinheiro que têm para entregar o ‘caso’ aos curandeiros, para mandar ‘afiná-lo’”.

Já de papo animado, afirmou que algumas nem sequer sabe receber o companheiro quando volta do serviço: “têm coragem de tirar a cabeça da manta apenas para dizer ‘tem comida aí nas panelas’. Xiiii…. ‘Mihumbu yanga’ (desgraça minha). É por estas razões que perdem os maridos para madalas como eu, porque a gente pega-os e trata-os muito bem. Depois falam mal dos homens, afirmam que gostam de velhas…”, insinuou.

E quando chega a altura de correr atrás do prejuízo, “pensam em ‘remédios’”, só que, conforme alertou por intermédio do jornal domingo, a resolução não está no “vovó disse”, isso é pura ilusão, pois “o homem só suporta maus-tratos quando ainda gosta. Mas, quando o amor acaba, não há remédio que o segure”, concluiu.