fbpx

Comer demasiado chocolate aumenta risco de cancro no intestino

Os investigadores realizaram testes em ratos nos quais introduziram a proteína modificada no cólon. E os resultados surpreenderam pela negativa: o cancro do bichos piorou, segundo um artigo avançado pelo jornal britânico The Sun.

Todavia, ao ser colocado no intestino delgado a proteína transformou-se num ‘super-suppressor’.

A equipa de investigadores da Hebrew University em Jerusalem, em Israel, disse que a descoberta explica por que motivo a maioria dos cancros gastrointestinais começa no cólon.

O professor Yinon Ben-Neriah afirmou: “os cientistas estão a começar a prestar mais e mais atenção ao papel do microbioma intestinal na nossa saúde”.

“Estes incluem tantos efeitos positivos e – neste caso – o seu por vezes efeito pernicioso no auxílio e cumplicidade na proliferação de doenças”.

O especialista apontou que os indivíduos considerados de alto risco relativamente à incidência de cancro do intestino devem monitorizar a sua saúde gastrointestinal com frequência e pensar duas vezes sobre aquilo que comem. E tal inclui antioxidantes – que normalmente são benéficos para a saúde e encontrados em abundância nos vegetais e fruta.

Estas propriedades protegem as células contra os radicais livres que podem causar doenças coronárias, cancro e outras patologias.(NM)

Leia Também: Quando seu gato bufar o melhor é afastar-se