Recém-empossado presidente do Maláui declara luta à corrupção

Partilha Esta Noticia com os Seus Amigos

O recém-empossado Presidente da República do Maláui, Lazarus Chakwera, ordenou a dissolução dos conselhos de administração de mais de metade das cem instituições e empresas públicas do país suspeitas de má gestão ou corrupção.

Recebi relatórios sobre a situação das instituições estatais que irão alimentar as decisões que irei tomar para garantir que estas instituições tenham os meios para pôr fim às anomalias e más práticas em curso”, disse Chakwera, numa declaração divulgada na terça-feira à noite.

Um total de 60 entidades públicas são alvo da medida presidencial, incluindo empresas petrolíferas e de eletricidade, universidades e a empresa de radiodifusão.

“O Presidente quer assegurar que todos respeitam a lei e as boas práticas de governação”, disse o seu porta-voz, Sean Kampondeni, citado pela agência France-Presse.

Chakwera, o líder do principal partido da oposição, ganhou as contestadas eleições presidenciais em 23 de junho, com 58,5% dos votos, à frente do Presidente cessante, Peter Mutharika.

O escrutínio foi realizado após a anulação da reeleição do Mutharika no ano passado com base em fraude eleitoral.

O novo chefe de Estado fez campanha denunciando a corrupção do antigo regime e a situação de bancarrota em que se encontra o país.

Segundo o analista e diretor do Institute for Policy Research & Social Empowerment (IPRSE) do Maláui, Henry Chingaipe, o ex-Presidente Mutharika concedeu a liderança das empresas estatais a muitos apoiantes do seu partido como recompensa pelo seu apoio político.

“A maioria das nomeações foram feitas sem ter em conta o mérito. Foi um sistema de patrocínio concebido para assegurar a sustentabilidade do seu regime”, adiantou.

“Novas nomeações terão de mostrar que estas empresas serão agora geridas de acordo com a lei”, reforçou.

Na mesma linha, a presidência anunciou também a suspensão dos contratos públicos “a fim de verificar que não alimentaram a corrupção e que foram adjudicados de acordo com as regras”.(LUSA)