Tribunal decide manter proibição de venda de tabaco na África do Sul

Partilha Esta Noticia com os Seus Amigos

O Supremo Tribunal da África do Sul rejeitou, esta sexta-feira, as revindicações dos fabricantes de tabaco, que pediam a anulação da proibição da venda de cigarros, uma das medidas impostas pelo Governo para conter a pandemia da covid-19.

A literatura médica (…) forneceu ao ministro razões suficientes para promulgar as regras para a proibição da venda de tabaco”, refere o Supremo Tribunal, na sua deliberação, citada pela agência France-Presse.

A proibição da venda de cigarros entrou em vigor em 27 de Março, ao mesmo tempo que outras medidas de contenção impostas pelo Presidente, Cyril Ramaphosa, destinadas a conter a propagação da doença provocada por um novo coronavírus.
A decisão originou alguma contestação entre fumadores, fabricantes e retalhistas do sector.

No início de Junho, algumas das medidas impostas foram aliviadas, incluindo a limitação da venda de álcool, mas o executivo decidiu manter a proibição da venda de cigarros “devido a riscos para a saúde associados ao tabagismo”.

Numa audiência perante o Supremo Tribunal em Pretória, no início do mês, a Independent and Fari Tobacco Association (Fita) pediu o levantamento da medida, considerando que foi “irracional” por parte do Governo.

“É difícil imaginar uma medida mais draconiana do que esta proibição total que (…) tem causado tantos danos”, argumentou o advogado da Fita, Arnold Subel.
Em representação do Estado, o advogado Marumo Moerane defendeu a proibição, argumentando que é “perfeitamente claro que os fumadores correm um risco maior do que outros de desenvolver uma forma severa de covid-19”.

“Acreditamos que esta medida é uma decisão racional que se insere no âmbito da responsabilidade do Estado de proteger vidas, parar a propagação da covid-19 e aliviar a pressão sobre as instituições de saúde do país”, refere a deliberação do tribunal.

Segundo o chefe de administração local Edward Kieswetter, a proibição de venda de tabaco já custou ao Estado sul-africano mais de 300 milhões de rands em impostos.
Uma outra queixa contra a medida do Governo, apresentada pela subsidiária local da British American Tobacco, deverá ser analisada em Agosto.

A África do Sul é, oficialmente, o país da África Subsaariana mais afectado pela pandemia da covid-19, contabilizando 118.375 casos de infecção e 2.292 vítimas mortais.(LUSA)