Não é bom deixar a sogra com rancor diz vovó Luísa

Partilha Esta Noticia com os Seus Amigos

Reza uma crónica, amplamente lida cá na nossa terra, que algumas mulheres da praça não gostam da ideia de ajudar, materialmente, a família do marido. Chegam a ir aos arames quando descobrem que os respectivos parceiros esmeram-se em jeitinhos de dar às suas progenitoras.

 

Vovó Luísa, num bate-papo com o jornal domingo, rebuscou a sua experiência de vida para aconselhar às mais novas: “ʻVanangaʼ (minhas filhas) a sogra também é tua mãe. (Aliás) é tua filha… (Entretanto) criou o teu marido até crescer, deu-lhe banho, comida, água e roupa. Sacrificou-se por ele, às vezes indo à machamba trabalhar a terra com o bebé (seu marido nas costas); muitas mães sofrem de reumatismos e dores de coluna por se terem dedicado aos trabalhos domésticos para o bem dos seus filhos. Agora, vocês não querem ajudá-las?! Não é bom deixar uma sogra (mãe) com rancor, não terão bênçãos no vosso lar. Mãe é mãe, é teu Deus. Isto não significa que ela possa fazer algo contra ti, mas a natureza faz com que a sua zanga tenha efeito sobre os filhos, pois ela é que os trouxe ao mundo”, argumentou.

A terminar, observou que muitas dessas mulheres que viram as costas às sogras  trabalham e prestam assistência às próprias mães. “Só não querem ajudar à mãe do marido, por pura maldade”. Deste modo, vovó Luísa concluiu a conversa com o jornal domingo.