Balões na estratosfera vão levar rede móvel a zonas remotas de Moçambique

Partilha Esta Noticia com os Seus Amigos

A rede de torres de comunicação em balões a elevada altitude, criada no âmbito da empresa-mãe da Google, vai suportar a rede móvel da Vodacom em zonas remotas e afetadas por violência armada no norte de Moçambique, foi hoje anunciado.

“ALoon e a Vodacom assinaram um contrato comercial para começar a servir as províncias de Cabo Delgado e Niassa em Moçambique, duas regiões difíceis de cobrir devido aos desafios colocados pela sua imensa área e logística”, escreveu Alastair Westgarth, diretor-executivo da Loon, subsidiária da Alphabet, no blogue da empresa.

Em vez de antenas colocadas em torres, no terreno, o sinal de rede que chega aos telemóveis vai passar a ser distribuído por antenas a flutuar em balões na estratosfera, a 20 quilómetros de altitude, cerca do dobro da altitude a que circulam os aviões.

O anúncio coincide com a destruição de redes móveis num período de confrontos mais intensos entre as forças armadas e grupos classificados como uma ameaça terrorista, que já provocaram, pelo menos, 500 mortos em dois anos e meio e afetaram 162.000 pessoas na faixa costeira de Cabo Delgado.

A rede estatal Tmcel anunciou há uma semana a reposição da cobertura nalgumas das zonas de conflito, depois de interrupções verificadas desde final de março.

A Loon disse já ter as autorizações necessárias para colocar os balões a voar sobre Moçambique e para instalar no país as infraestruturas terrestres que vão levar o sinal da Vodacom aos balões.

“Nos próximos meses, vamos continuar a instalar infraestruturas de terra e começar a fazer voos de teste, para que o sistema de navegação autónomo da Loon possa começar a aprender os padrões dos ventos na estratosfera acima de Moçambique”, explicou Alastair Westgarth.

A data de entrada em funcionamento da infraestrutura não foi anunciada.

Na mesma mensagem, o diretor-executivo da Vodacom, Shameel Joosub, referiu que a nova infraestrutura vai ser especialmente útil “face à pandemia da covid-19, em que mais moçambicanos terão acesso a informação de saúde” em zonas remotas onde tem sido difícil fazer chegar a rede móvel.

O sinal vai ter as funcionalidades oferecidas noutros dos principais pontos do país: chamadas telefónicas, SMS, internet 4G e serviços financeiros (mobile money).

A Loon encontra-se a colocar em ação o mesmo tipo de serviço no Quénia.(LUSA)