Coronavírus pode continuar ativo no organismo após sintomas desaparecerem

Partilha Esta Noticia com os Seus Amigos

Devido aos resultados da nova pesquisa, médicos e cientistas sugerem que o período de quarentena de quem teve a doença deve ser alargado além das duas semanas.

A pesquisa foi publicada no periódico científico American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, e divulgada pela revista Galileu.

Para efeitos do estudo, os investigadores examinaram 16 casos de doentes com idades em torno dos 35 anos que haviam sido infectados pelo Sars-coV-2, mas que já estavam curados e tinham recebido alta do hospital. Os cientistas recolheram amostras de secreções da garganta dos voluntários em dias alternados de modo a analisarem se estavam de facto curados.

“A descoberta mais significativa de nosso estudo é que metade dos pacientes continuava a expurgar o vírus mesmo após os sintomas cessarem”, afirma Lokesh Sharma, um dos autores do estudo, num comunicado emitido à imprensa.

“Se experienciou sintomas respiratórios ligeiros e ficou em casa para não infetar ninguém, então prologue a quarentena por mais duas semanas após a recuperação para ter a certeza que não infetará realmente outras pessoas”, aconselha Lixin Xie, médico e professor da Faculdade de Medicina Pulmonar e Intensiva do Hospital Geral Chinês, que também integrou o estudo.

Os investigadores transmitiram ainda uma mensagem para a comunidade médica: “os pacientes com Covid-19 podem ser infecciosos mesmo após a recuperação sintomática; portanto, trate os pacientes assintomáticos/recentemente recuperados com o mesmo cuidado que os pacientes sintomáticos”. (Noticias ao minuto)