Coreia do Norte insulta primeiro-ministro e ameaça disparar um contra o Japão

Partilha Esta Noticia com os Seus Amigos

A Coreia do Norte insultou hoje o primeiro-ministro japonês depois de Shinzo Abe ter sugerido que os projéteis disparados pelo regime na quinta-feira eram mísseis balísticos, e ameaçou disparar um contra o Japão.

Num comunicado divulgado pela agência de notícias estatal KCNA, pode ler-se que “Abe é o único idiota deste mundo e o homem mais estúpido que a história já conheceu”, por ser “incapaz de distinguir um míssil de um sistema de lançamento múltiplo de foguetes”.

Na mesma nota, assinada por um funcionário da diplomacia norte-coreana, Pyongyang acusa o primeiro-ministro nipónico de viver “isolado da política internacional” e qualifica Abe de “tolo”, “ignorante”, “imbecil”, “anão político” e “cão temeroso”.

Também acusa o político conservador japonês de tentar minar o diálogo sobre a desnuclearização com os Estados Unidos e insinua que “Abe poderá ver, num futuro não muito distante e de muito perto, o que é um míssil balístico”.

Na quinta-feira, Pyongyang efetuou dois disparos com um sistema de lançamento múltiplo de foguetes a partir da sua costa leste e em direção ao mar do Japão (conhecido como mar do Leste nas duas Coreias).

Abe, que já tinha descrito anteriormente tais projéteis como “mísseis balísticos”, rejeitou nesse mesmo dia que os projéteis se tratassem de “meros foguetes”.

O teste de quinta-feira foi o décimo terceiro teste de armas realizado pela Coreia do Norte este ano e o quarto em que é usado o sistema de lançamento múltiplo de projéteis.

As negociações sobre o desarmamento não avançam desde a cimeira de fevereiro em Hanói, onde Washington considerou insuficiente a oferta de Pyongyang para desmantelar os ativos nucleares e recusou a levantar as sanções económicas.

Ambas as partes realizaram uma reunião de trabalho no início de outubro em Estocolmo, mas a reunião foi encerrada com os norte-coreanos a acusarem os norte-americanos de não oferecerem nada de novo e de manterem uma “política hostil”.

LUSA