Ultimate magazine theme for WordPress.

Dois mortos e cinco feridos em protesto contra estrangeiros na África do Sul

Partilha Esta Noticia com os Seus Amigos

Duas pessoas morreram em atos de violência xenófoba, no domingo, no centro da cidade sul-africana de Joanesburgo, anunciou hoje a polícia.

“Asegunda vítima foi baleada mortalmente em Denver enquanto que a primeira foi esfaqueada em Hillbrow”, disse o porta-voz policial, Wayne Minnaar, ao canal público SABC.

“A Jules Street e Malvern pareciam ontem [domingo] zonas de guerra com saques de várias lojas, veículos e pneus a arder e muita violência”, afirmou.

Segundo a polícia, cinco pessoas ficaram feridas e 17 foram detidas por violência pública.

Violentos protestos reeclodiram no domingo à tarde no centro da capital sul-africana quando os manifestantes, residentes em albergues sociais, rejeitaram o apelo contra a xenofobia, violência e pilhagens feito pelo líder político Zulu do partido Livre Inkatha, Mangosuthu Buthelezi, perante os manifestantes que empunhavam pangas e outras armas tradicionais Zulu.

Wayne Minnaar disse que a dificuldade das autoridades de segurança em lidar com este tipo de situações esporádicas “é que podem eclodir a qualquer momento em qualquer sítio”.

Todavia, descreveu a situação como “calma hoje em várias partes” de Joanesburgo, “com o trânsito a regressar à normalidade”.

A Liga da Mulher do Congresso Nacional Africano (ANC, sigla em inglês), partido no poder, apelou hoje ao Governo a tomar medidas para pôr fim à alegada violência xenófoba e instou o Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, a declarar o estado de emergência no país.

Pelo menos cinco estabelecimentos comerciais portugueses foram pilhados e destruídos em Joanesburgo.

De acordo com dados recolhidos pela agência Lusa junto dos comerciantes afetados, os prejuízos materiais ascendem a 11,3 milhões de rands (691 mil euros).

Desde 01 de setembro, pelo menos 10 pessoas morreram, entre as quais um estrangeiro, cuja nacionalidade não foi divulgada, devido à violência xenófoba que atinge a África do Sul, afirmou na quinta-feira o Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, que considerou injustificáveis os ataques e saques.

“Sabemos que pelo menos 10 pessoas morreram nessa violência, entre as quais um estrangeiro”, afirmou o chefe de Estado, numa declaração à nação emitida na quinta-feira pela televisão, durante a qual considerou que “não há desculpa para a xenofobia” nem uma “justificação para os saques e destruição”.

Desde o início da violência, a polícia deteve mais de 500 pessoas.

LUSA

Loading...
moznews.co.mz