Carlos Agostinho condena o rapto do jornalista Ericino de Salema e pede esclarecimento do caso

O primeiro-ministro de Moçambique, Carlos Agostinho do Rosário, condenou hoje o rapto e a agressão ao jornalista moçambicano Ericino de Salema, na terça-feira, manifestando confiança no esclarecimento do caso pelas autoridades policiais.

Falando hoje na Assembleia da República (AR), durante a sessão de perguntas dos deputados ao Governo, Carlos Agostinho do Rosário declarou que o executivo repudia o atentado à vida e integridade física dos cidadãos.

“Queremos reiterar aqui e agora a nossa inteira confiança nas autoridades policiais no seu trabalho de combate ao crime no encaminhamento dos seus autores à justiça”, afirmou o primeiro-ministro moçambicano.




Ericino de Salema foi encontrado gravemente ferido no distrito de Marracuene, a oito quilómetros do centro de Maputo, algumas horas depois de ser raptado por desconhecidos.

O jornalista estava caído no passeio da estrada circular de Maputo em Marracuene, província de Maputo, e depois foi transportado para o Hospital Privado de Maputo, onde se encontra internado.

A vítima apresentava sinais de agressões que terão sido infligidas com objetos contundentes e está consciente, de acordo com testemunhos relatados pelo canal privado STV.

Ericino de Salema, comentador do “Pontos de Vista”, um programa de análise política muito visto em Moçambique, foi raptado à saída do SNJ, onde se deslocou para almoçar no restaurante do local.

O porta-voz da polícia em Maputo, Orlando Modumane, disse terça-feira em conferência de imprensa que decorre uma investigação visando deter os autores do crime, escusando-se a dar mais pormenores sobre o trabalho da polícia.

LUSA

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.