Ultimate magazine theme for WordPress.

Governo moçambicano Recrutou mais de mil Professores em Nampula

O SECTOR da Educação e Desenvolvimento Humano em Nampula recrutou para o presente ano lectivo pouco mais de mil professores, número considerado aquém das necessidades porque os alunos matriculados nos diversos subsistemas aumentaram substancialmente.

No presente ano lectivo, a província tem 1.284.255 alunos, matriculados da 1.ª a 12.ª classe, um crescimento de 4.8 por cento comparado com o ano passado, em que tinham sido inscritos pouco mais de 1.259.000 discentes.

Dados avançados por Júlio Mendes, director do pelouro, indicam que se nota uma tendência de crescimento do efectivo escolar quando comparado com os últimos três anos, apesar de tal não espelhar a população em idade escolar existente.

Aliás, Nampula registou 395.775 alunos novos ingressos, contra os pouco mais de 400.600 inicialmente planificados. O ensino bilingue, por sua vez, funciona em 450 escolas, abrangendo 13 dos 23 distritos.

Sobre o livro escolar, a fonte deu conta que a entrega abrangeu já os 23 distritos, que receberam 2 157 275 manuais da 1.ª a 7.ª classe, numa execução de 99,9 por cento.

Fazendo um balanço das actividades levadas a cabo pelo sector da Educação e Desenvolvimento Humano durante o ano passado, Mendes referiu que, das acções de grande impacto, estão a abertura de 22 novas escolas do ensino primário, quatro do secundário, que no global deram acesso a pouco mais de 4800 novos alunos em diversas sedes distritais e postos administrativos.




Os dados foram avançados durante a visita que o governador de Nampula, Victor Borges, efectuou recentemente ao sector.

Segundo o governador da província, o pagamento das horas extras aos professores está quase solucionado.

Explicou que, dos 67 milhões de meticais para o pagamento a horas extraordinárias em 2016, cinquenta e sete milhões já foram pagos de Abril a Novembro do ano passado. O valor passou a ser pago juntamente com os salários, uma prática que vai continuar este ano.

“As horas extras não vão ser assunto principal de debate nos próximos anos e vamos concentrarmo-nos no aproveitamento, assiduidade dos alunos e professores nas escolas, infra-estruturas, inspecção e supervisão escolar, participação da comunidade através do conselhos de escola, para que tenhamos cada vez melhor rendimento e boa qualidade de ensino”, referiu Borges.

Jornal Noticias