Homem mata irmã em Quelimane para se livrar de uma suposta discriminação

Partilha Esta Noticia com os Seus Amigos

Um indivíduo identificado pelo nome de Rui Lemos, de 44 anos de idade, encontra-se privado de liberdade, desde a semana finda, na cidade de Quelimane, província da Zambézia, acusado de assassinar a sua irmã, de 60 anos de idade, alegadamente porque o discriminava por ser deficiente visual.




O homicídio deu-se por volta das 21h00 da passada quinta-feira (02) na casa onde a vítima e o ofensor viviam. O indiciado, detido na 3a esquadra da Polícia da República de Moçambique (PRM) naquela parcela do país, contou que a malograda o marginalizava e humilhava, desde que perdeu a visão e nada dá certo na sua vida.

“Não sei o que se passou. Eu nunca fiz isso [matar]”, disse Rui Lemos, alegando que houve uma força invisível a actuar nele. Segundo a Polícia, sem compaixão, o cidadão viu a irmã a debater-se até perder os sentidos aos poucos nas suas mãos, quando apertou o pescoço da mesma. Em seguida, o suposto assassino recorreu uma madeira com a qual aplicou duros golpes à vítima até perder a vida.

Este é o segundo assassinato que acontece na cidade de Quelimane em menos de uma semana.

Na manhã da última terça-feira (31), um jovem de 22 anos de idade, que alugava a sua bicicleta para o transporte de passageiros, foi morto com recurso a uma faca e instrumentos contundentes e o seu corpo atirado num poço, supostamente por dois clientes, um dos quais já está a contas com a Polícia.

Enquanto isso, um outro homem de 30 anos de idade, cuja identidade não foi revelada pelas autoridades policiais, está preso, desde a semana finda, no distrito de Nicoadala, suspeito de matar a sua avó supostamente porque o enfeitiçava.




A PRM disse que o visado deu vários golpes na cabeça da malograda com recurso a uma enxada.

Por: A verdade